Cintilografia para Determinação do Tempo de Esvaziamento Gástrico

Introdução:

Utilizando um marcador radioativo não absorvível pelo trato gastrointestinal, podemos estudar o esvaziamento gástrico de forma fisiológica, não invasiva e com baixa exposição à radiação.
Curvas de atividade em função do tempo podem ser geradas, possibilitando o cálculo do tempo que o estômago leva para esvaziar metade do seu conteúdo (T1/2). Esse parâmetro funcional se altera em diversas doenças, sendo muitas vezes responsável por vários sintomas.

Indicações:

  • Um dos principais objetivos deste exame é identificar pacientes com problemas de motilidade gástrica que se beneficiarão de medicamentos pró-cinéticos ou outros tratamentos para aliviar seus sintomas.
  • Avaliação de pacientes com dispepsia (desconforto na parte superior do abdômen, náuseas, vômitos, arrotos, inchaço, distensão, plenitude ou início precoce saciedade), após exclusão de causa anatômica com outros exames.
  • Suspeita de disfunção da motilidade gástrica, como gastroparesia diabética  (atraso no esvaziamento gástrico ou estase gástrica) e síndromes de estase como causas de retardo do esvaziamento gástrico.
  • Dumping (esvaziamento gástrico rápido) visto frequentemente após a cirurgia gástrica.

Radiofármacos utilizados:

  • Estanho coloidal-99mTc, Enxofre Coloidal- 99mTc, Fitato-99mTc ou MAA-99mTC + alimentos sólidos (no exame para avaliar esvaziamento gástrico com alimentos SÓLIDOS).
  • Enxofre coloidal-99mTc, Fitato-99mTc ou Dextran-99mTc + água (no exame para avaliar esvaziamento gástrico com LÍQUIDOS).

Preparo para a realização do exame:

  • Jejum absoluto de 6 horas. Recém-nascidos podem ter o jejum reduzido para 2 horas.
  • Exame para avaliação com alimentos sólidos não é recomendado para crianças.
  • Não fumar no dia do exame até o término do mesmo.
  • Recomenda-se para mulheres realizar o exame nos primeiros 10 dias do ciclo menstrual (estudo para alimentos sólidos).
  • A glicemia deve ser menor que 200 mg/dl (para o estudo com alimentos sólidos), uma vez que a hiperglicemia retarda o esvaziamento gástrico, especialmente em pacientes diabéticos.
  • Suspender (com autorização do médico solicitante) por 48 horas medicamentos procinéticos que possam acelerar o esvaziamento gástrico, como: metoclopramida, tegaserod, eritromicina e domperidona.
  • Suspensão (com autorizaçao do médico solicitante) por 48 horas medicamentos que possam retardar o esvaziamento gástrico, como: antidepressivos, laxantes, meperidina, codeína, morfina, oxicodona e antiespasmódicos anticolinérgicos, como diciclomina, fenobarbital, hiosciamina e glicopirolato.

Como é feito o exame?

O paciente será recebido pelo setor Recepção, onde deverá providenciar os documentos previamente relacionados para criação ou atualização da ficha cadastral, bem como ler e assinar o termo de consentimento livre e esclarecido para a realização do exame.
Logo após o paciente receberá um crachá de identificação e será encaminhado ao setor técnico para uma breve entrevista, verificação do preparo e orientações sobre a realização do exame.
Na avaliação do Esvaziamento Gástrico para alimentos sólidos, o radiofármaco é misturado aos alimentos definidos por protocolos internacionais (2 claras, 2 fatias de pão de forma e geléia de morango), para que o paciente possa ingerir e, na sequência, iniciar a aquisição das imagens no equipamento, para avaliar o estômago.
Na avaliação do Esvaziamento Gástrico para líquidos, o radiofármaco é misturado a água, que será deglutida pelo paciente e na sequencia iniciar a aquisição das imagens no equipamento, para avaliar o estômago.
Lembrando que o radiofármaco não é absorvido pela mucosa do trato gastrointestinal e não altera o gosto dos alimentos.
As imagens são adquiridas na projeção anterior de abdome, onde as imagens dinâmicas podem durar 30 minutos para o esvaziamento líquido. Na avaliação do esvaziamento gástrico para líquido, imagens estáticas são adquiridas com tempos fixados, podendo durar até 4 horas após a ingestão da refeição.

Efeitos colaterais e contraindicações:

O exame não é indicado para pacientes com alergia a ovo ou outro componente da refeição. Assim como não é recomendado para mulheres grávidas ou com suspeita de gravidez e para pacientes com hipoglicemia (<40mg/dL) ou hiperglicemia (> 275mg/dl).
Não há efeitos colaterais descritos na literatura médica.

Como solicitar?

Cintilografia para Determinação do Tempo de Esvaziamento Gástrico – Código TUSS: 40702065 – Código SUS: 02.08.02.007-1.

*Caso paciente necessite da avaliação do Esvaziamento Gástrico para líquidos e sólidos, o pedido médico deve estar detalhado solicitando as duas avaliações, pois são exames diferentes e feitos com intervalo mínimo de 48 horas.
*Incluir o CID, hipótese diagnóstica e/ou indicação do exame.

 

Fig1: Estudo de esvaziamento gástrico com líquido – T1/2 de eliminação igual a 11 minutos.

 

Fig 2: Estudo de esvaziamento gástrico com sólidos – observe que o estômago esvazia quase que completamente o conteúdo radioativo.

Considerações finais:

Para avaliação do esvaziamento gástrico é importante lembrar que o fundo gástrico é o principal regulador de esvaziamento líquido e o antro por sua vez pelo esvaziamento de refeições sólidas.
Historicamente, acreditava-se que o estudo de esvaziamento gástrico com líquido fosse menos sensível para detecção de gastroparesia. Entretanto, estudos recentes tiveram conclusões contrárias: um paciente pode ter estudo normal para ambos; alterado somente em um dos dois; ou alterado nos dois estudos.
Um esvaziamento gástrico lentificado com líquido pode ser visto em 30-35% dos pacientes com esvaziamento gástrico sólido normal. Portanto, existe valor diagnóstico na combinação do estudo com líquido e sólido.
A análise do estudo baseia-se na avaliação visual e quantitativa. Na análise visual, identificamos a progressão do radiofármaco no alimento/líquido pelo estômago, duodeno e alças intestinais. Na análise quantitativa, é utilizada a curva de atividade versus tempo, apresentando padrão exponencial gerado pelo equipamento, onde também são obtidos valores de T1/2 da atividade do radiofármaco, os quais, em conjunto, são analisados para interpretação do exame.

Referências bibliográficas:

  • Maurer AH, Parkman HP. Update on Gastrointestinal Scintigraphy. Semin Nucl Med 2006; 36:110-118.
  • Maurer AH. Advancing Gastric Emptying Studies: Standardization and New Parameters to Assess Gastric Motility and Function. Semin Nucl Med 2012; 42:101-112.
  • Abell TL, Camilleri M, Donohoe K. et al. Consensus recommendations for gastric emptying scintigraphy: A joint report of the American Neurogastroenterology and Motility Society and Society of Nuclear Medicine. J Nucl Med Technol 2008; 36: 44–54.
  • Ertay T, Doğan AS, Ulker O, Durak H. In vitro evaluation of tc-99m radiopharmaceuticals for gastric emptying studies. Mol Imaging Radionucl Ther. 2014 Feb;23(1):21-4. doi: 10.4274/Mirt.75047. Epub 2014 Feb 5. PMID: 24653931; PMCID: PMC3957967.
  • Farrell MB. Gastric Emptying Scintigraphy. J Nucl Med Technol. 2019 Jun;47(2):111-119. doi: 10.2967/jnmt.117.227892. PMID: 31167827.

 

Autor: Dr. Ramon Souza Duran – CRM / SP 196.426 – Médico Nuclear

CRM / SP 33.026 – Médico Nuclear – Diretor Corporativo