Cintilografia das Glândulas Salivares com ou sem estímulo

Outros nomes que este procedimento pode ser chamado:

Cintilografia das Parótidas, Cintilografia das Glândulas Submandibulares, Mapeamento das Glândulas Salivares.

Introdução:

O diagnóstico de doença das glândulas salivares é baseado principalmente na apresentação clínica e em alguns testes diagnósticos. Dos poucos exames atualmente disponíveis para avaliação funcional da glândula, a cintilografia tem se mostrado bastante útil, não só na avaliação da integridade funcional como também na patência dos ductos salivares.
Recentemente a cintilografia de glândulas salivares tem sido refinada com a avaliação semi-quantitativa, derivada da cinética de captação do radiotraçador e do clearance da radiatividade pelas glândulas parótidas e submandibulares.
Diversos estudos têm demonstrado correlação entre a cintilografia e os achados histopatológicos na Síndrome de Sjögren. Entretanto, não há um consenso de qual parâmetro melhor avalia o acometimento glandular (acúmulo x secreção). Os resultados têm demonstrado que a redução na velocidade de secreção das glândulas parótidas e o acúmulo deprimido nas glândulas submandibulares são indicadores bastante sensíveis no diagnóstico da Síndrome de Sjögren.

Indicações:

  • Avaliação funcional das glândulas salivares (ex.: Sd de Sjögren, avaliação pós radioterapia iatrogênica etc.);
  • Avaliação da patência das vias secretoras.

Radiofármaco:

[99mTc]-Pertecnetato.

Preparo:

Jejum de 4 horas.

 Como é feito o exame?

  • O paciente será recebido pelo setor Recepção, onde deverá providenciar os documentos previamente relacionados para criação ou atualização da ficha cadastral, bem como ler e assinar o termo de consentimento livre e esclarecido para ar realização do exame.
  • O paciente receberá um crachá de identificação e será encaminhado ao setor técnico para início do procedimento com uma entrevista para coleta de dados clínicos, verificação de preparo e orientações.
  • Em seguida, será encaminhado à sala de exame, onde deverá ser posicionado na maca do aparelho e permanecer deitado, sem mexer a cabeça, por 30 minutos. A aquisição das imagens será realizada imediatamente após a injeção venosa do radiofármaco. Aos 15 minutos será fornecido ao paciente suco de limão/maracujá e a aquisição de imagens prosseguirá por mais 15 minutos.
  • Tempo aproximado da aquisição das imagens é de 30 minutos.

Fig1: Não há evidência de progressão do traçador para a cavidade oral, mesmo após estímulo com suco de limão.

 

Fig2: Note acúmulo e concentração do radiotraçador deprimidos nas glândulas parótidas e submandibulares.

Efeitos Colaterais e contraindicações:

  • Os efeitos colaterais são extremamente raros e quando ocorrem são de leve intensidade. Alguns efeitos descritos na literatura são: náuseas, vômitos, rash cutâneo, prurido, urticária, cefaleia, dor torácica, vertigens e hipertensão.
  • Este exame não é recomendado para mulheres grávidas ou com suspeita de gravidez.

Como Solicitar?

Cintilografia das Glândulas Salivares com ou sem Estimulo – Código TUSS: 40702014 – Código SUS: 02.08.02.003-9

 

Fig3: cintilografia de glândulas salivares – Estudo normal. Observe a captação do radiofármaco nas parótidas e submandibulares (setas).

 

Fig4: cintilografia de glândulas salivares (fase de excreção com imagem antes e após estimulo com suco de limão). Observe excreção quase que completa do traçador pelas glândulas.

Considerações Finais:

  • Um dos parâmetros utilizados em alguns serviços na cintilografia de glândulas salivares é a comparação da intensidade de captação do traçador pela glândula salivar em relação à captação pela glândula tiroide. Esse parâmetro é pouco útil, uma vez que a prevalência de associação de disfunção tiroideana (principalmente tiroidite) com a Síndrome de Sjögren é muito alta (30 a 36%).
  • Os principais parâmetros cintilográficos que devem ser considerados é o acúmulo máximo, taxa de excreção e velocidade de excreção, derivados da análise semiquantitativa.
  • Lembramos ainda que o acometimento glandular pela doença auto-imune pode ser diferente nas parótidas e submandibulares, pois a composição celular (serosa e mucosa) nessas glândulas é distinta.

Referências Bibliográficas:

  • Loutfi I, Nair M K, Ebrahim A L. Salivary Gland Scintigraphy: The Use of Semiquantitative Analysis for Uptake and Clearance. J Nucl Med Technol 2003; 31:81-85.
  • Shizukushi K, Nagaoka S, Kinno Y et al. Scoring analysis of salivary gland scintigraphy in patients with Sjogren’s syndrome. Annals of Nuclear Medicine 2003; 17(8): 627-631.
  • Aung W, Murata Y, Ishida R et al. Study of Quantitative Oral Radioactivity in Salivary Gland Scintigraphy and Determination of the Clinical Stage of Sjögren’s Syndrome. J Nucl Med 2001 Jan; 42(1): 38-43
  • D’Arbonneau F, Ansart S, Le Berre R, Dueymes M, Youinou P, Pennec YL. Thyroid Dysfunction in Primary Sjögren’s Syndrome: A Long-Term Follow-up Study. Arthritis & Rheumatism (Arthritis Care & Research) 2003; 49: 804-809.
  • Byeon H K et al. Clinical Utility of Quantitative Parameters of Salivary Gland Scintigraphy for Diagnosing Burning Mouth Syndrome. Diagnostics 2022, 12, 2256.
  • Ji-Won Kim et al. Correlations between salivary gland scintigraphy and histopathologic data of salivary glands in patients with primary Sjogren’s syndrome. Clinical Rheumatology 2022 (41): 3083-3093.

 

Autora: Dra. Dilma Mariko Morita – CRM / SP 68.023 – Médica Nuclear

CRM / SP 68.023 – Médica Nuclear