Pesquisa de Divertículo de Meckel

Divertículo de Meckel, um remanescente causado por fechamento incompleto do ducto onfalomesentérico, está localizado no íleo, cerca de 50-80 cm da válvula íleo-cecal. A mucosa gástrica ectópica está presente em cerca de 98% dos casos de sangramento pelo Divertículo de Meckel.
O ácido gástrico e pepsina produzidos pela mucosa gástrica ectópica pode causar danos à mucosa e ser causa de sangramento intestinal. Diante de um contexto clínico adequado, é considerado um método efetivo, com média de sensibilidade de 85%, especifidade de 95% e acurácia de 90%.

>> Principais Indicações Clínicas

-> Pesquisa de mucosa gástrica ectópica em Divertículo de Meckel, como fonte potencial de sangramento gastrointestinal a esclarecer.

>> Contra-Indicações

-> Não existe contraindicação absoluta, entretanto, o exame não é recomendado para mulheres grávidas ou com suspeita de gravidez.

>> Efeitos Colaterais

-> As reações adversas com fármacos em medicina nuclear são raros e quando acontecem são de leve intensidade. Alguns efeitos descritos na literatura com o uso de 99mTc-Pertecnetato de sódio: calafrios, náuseas, vômitos, urticária, tontura, cefaleia, sudorese e hipertensão.

>> Como Solicitar

-> Cintilografia de Pesquisa de Divertículo de Meckel  – Código TUSS: 40702090 – Código SUS: ——
*Incluir o CID, hipótese diagnóstica e/ou indicação do exame.

>> Radiofármaco Utilizado

-> 99m-Pertecnetato de sódio: é captado por células produtoras de mucina da mucosa gástrica e é então secretado para a luz intestinal.

>> Preparo

-> Jejum por 4 a 6 horas (com o objetivo de reduzir o tamanho da silhueta gástrica e melhorar a sensibilidade do estudo; entretanto o jejum não é requerido e nem sempre pode ser possível).
-> Recém-nascidos poderão ter o jejum reduzido para 2 horas.
-> Drogas e procedimentos que possam irritar o trato gastrointestinal devem ser evitados 2 a 3 dias antes do estudo.
-> Estudos prévios, recentes, com hemácias marcadas, podem comprometer a pesquisa de Divertículo de Meckel, pois o Pertecnetato se ligará as hemácias marcadas mais do que irá concentrar na mucosa gástrica, portanto, os estudos devem ser realizados com mínimo de 72 horas de intervalo.
-> O estudo deve ser realizado quando o paciente não está com sangramento ativo (mesmo em crianças pequenas, sangramento ativo é melhor estudado com hemácias marcadas).

>> Descrição do Procedimento

-> O paciente será recebido pelo setor Recepção, onde deverá providenciar os documentos previamente relacionados para criação ou atualização da ficha cadastral, bem como ler e assinar o termo de consentimento livre e esclarecido para a realização do exame.
-> O paciente receberá um crachá de identificação e será encaminhado ao setor técnico para início do procedimento com uma entrevista para coleta de dados clínicos, verificação de preparo e prestação de orientações. Em seguida, o paciente será encaminhado à sala de exames, posicionado na maca do aparelho e uma veia periférica será puncionada.
-> A aquisição das imagens sequenciais será realizada imediatamente após a injeção venosa do radiofármaco.
-> O tempo aproximado da aquisição das imagens é de 40 minutos.

>> Considerações Finais

-> O padrão de positividade do exame é a identificação de uma área focal de acúmulo anômalo do traçador de intensidade semelhante ao padrão gástrico, geralmente nos primeiros 5 a 10 minutos (antes de atividade vesical), anterior e frequentemente no quadrante inferior direito.
-> O método pode ser sensibilizado pela administração prévia de ranitidina ou cimetidina (300 mg/dia por 2 dias) – para bloquear a liberação do Pertecnetato da mucosa gástrica.
-> O diagnóstico diferencial se faz com duplicação gastrointestinal, antro gástrico retido e esôfago de Barret.
-> Situações que promovem falsos positivos: atividade retida em trato urinário, mal formação vascular, intussuscepção, inflamação intestinal.
-> Situações que promovem falsos negativos: presença de mínima mucosa gástrica ectópica, rápido clareamento do Pertecnetato e pobre vascularização (por estar associado a volvo, intussuscepção, infarto).

>> Referências Bibliográficas

1. ACR–SNM–SPR Practice Parameter for the Performance of Gastrointestinal Scintigraphy Res. 29 – 2010.
2. Maurer AH, Parkman HP. Update on Gastrointestinal Scintigraphy. Semin Nucl Med 2006; 36:110-118.
3. ACR–SNM–SPR Practice Parameter for the Performance of Gastrointestinal Scintigraphy Res. 29 – 2010, Amended 2014 (Res. 39).
4. Mariani G et al. Radionuclide evaluation of the lower gastrointestinal tract. J Nucl Med 2008; 49:776–787.
5. Spottswood et al. Meckel Diverticulum Scintigraphy. J Nucl Med Technol 2014; 42:163-169.
6. Adverse Reactions to Radiopharmaceuticals: J Nucl Med 1996 37:1064-1067.

<< Voltar