Linfocintilografia de Membros

A linfocintilografia é considerada um exame de escolha na avaliação do sistema linfático, pois avalia a dinâmica linfática através dos canais linfáticos e das cadeias linfonodais. É indicada como ferramenta diagnóstica diante de suspeita clínica de linfedema e no acompanhamento da terapêutica instituída.

Apesar da maioria dos casos de linfedema ser diagnosticada clinicamente, os métodos de imagem podem ser úteis para excluir obstrução venosa, detectar ou confirmar o sítio linfático com disfunção e ainda favorecer a etiologia de edema linfático (incremento do fluxo linfático, estase linfática ou obstrução do trajeto linfático). No passado, a avaliação da circulação linfática nos linfedemas era realizada por linfografia.

A linfocintilografia de membros é considerada, atualmente, um método de baixo custo, baixo risco de complicações, pouco invasivo e de fácil realização. O método tem sensibilidade de 70 a 95% e especificidade de 90 a 100% para linfedema, sendo proposto por diversos autores como exame inicial para afastar ou confirmar lesão linfática.

Imagens são realizadas 10 minutos e 2 horas após as injeções, havendo possibilidade, ainda, de imagens mais tardias.

A linfopatia tem causa na redução da função linfática e consequente déficit de drenagem do interstício, levando ao quadro de linfedema (aumento de volume e peso da região afetada, diminuição da função e alteração estética, podendo cursar com fibrose na evolução). Complicações como celulite e úlceras crônicas podem agravar o quadro inicial. O linfedema pode ser primário (de apresentação congênita, precoce ou tardia) ou secundário, sendo este associado principalmente a processos inflamatórios, neoplasias e trauma.

Dentre os radiofármacos empregados, destacam-se o 99mTc-Dextran e o 99mTc-Fitato, que são colóides de diferentes tamanhos moleculares, marcados com material radioativo, que circulam pelo trajeto linfático e são fagocitados e retidos nos linfonodos de drenagem.

A análise visual das imagens adquiridas, levando em consideração o tempo de drenagem, a localização e intensidade de concentração do traçador em cadeias linfonodais, a simetria ou assimetria de drenagem, a existência de refluxo dérmico ou de retenção em linfonodos de trajeto, são os principais elementos a serem considerados na interpretação do estudo, devendo ser feita em conjunto com a análise dos dados de história do paciente.

>> Principais Indicações Clínicas

-> Linfopatia:
-> Linfedema primário;
-> Linfedema secundário

Fig 1: Observe as vias linfáticas dos membros inferiores e acúmulo do traçador nos linfonodos inguinais e ilíacos – estudo normal.

Fig 2: Observe ascensão normal do traçador pelas vias linfáticas do membro inferior direito, até os linfonodos inguinais e ilíacos. Não se evidencia progressão do radiofármaco pela via linfática do membro inferior esquerdo mesmo nas imagens de 4horas, indicando déficit significativo da drenagem linfática.

>> Contra Indicações

Não existe contraindicação absoluta para este exame, entretanto, não recomendamos para mulheres grávidas ou com suspeita de gravidez.

>> Principais Efeitos Colaterais

-> Dor, prurido e vermelhidão pode ocorrer nos sítios de injeção.
-> Reações sistêmicas ao radiofármaco são extremamente raras e a anafilaxia seria o quadro extremo. Reações descritas na literatura com o uso de colóide: náuseas, vômitos, eritema, rash cutâneo, mal estar, hipotensão, taquicardia, cefaleia, artralgia, dispneia, vertigens, choque, parestesia, sincope e tontura.

>> Como Solicitar

Linfocintilografia de Membros – Código TUSS: 40708101 / Código SUS: 02.08.08.004-0
*Incluir o CID, hipótese diagnóstica e/ou indicação do exame.

>> Radiofármaco Utilizado

99mTc-Dextran ou 99mTc-Fitato

>> Preparo

-> Não existe preparo específico.
-> É recomendado que o paciente movimente os membros que estão sendo avaliados após a administração do radiofármaco.
-> Recomendado que o paciente tenha com ele no dia do exame, outros exames relacionados a patologia.

>> Descrição do Procedimento

-> O paciente será recebido pelo setor Recepção, onde deverá providenciar os documentos previamente relacionados para criação ou atualização da ficha cadastral, bem como ler e assinar o termo de consentimento livre e esclarecido para a realização do exame.
-> O paciente receberá um crachá de identificação e será encaminhado ao setor técnico para início do procedimento com uma entrevista para coleta de dados clínicos, verificação de preparo e orientações.
-> Em seguida, o paciente será encaminhado à sala de injeção, onde serão realizadas injeções intradérmicas do radiofármaco nos espaços interdigitais dos membros a serem avaliados.
-> A aquisição das imagens será realizada 10 minutos e 2 horas após a administração do radiofármaco. Nos casos que ausência de trânsito linfático nesse período, imagens adicionais tardias (cerca de 4 horas após as injeções) serão necessárias. Tempo aproximado da aquisição das imagens é de 15 a 20 minutos.

>> Referências Bibliográficas

1. Sapienza M. T.; Endo I.S.; Ferraro, G.C.; Tavares, M.G.M.; Campos Neto, G.C.; Guedes Neto H.J.; Lewin, S., Marone, M.M.S. Critérios semiquantitativos de análise da linfocintilografia em linfedema dos membros inferiores. Jornal Vascular Brasileiro, v. 5, p. 288-294, 2006.
2. Weissleder, H., Weissleder, R. Lymphedema: evaluation of qualitative lymphoscintigraphy in 238 patients. Radiology. 1988;167: 729-35.
3. Moshiri, M.; Katz, D.S.; Boris, M.; Yung, E. Using lymphoscintigraphy to evaluate suspected lymphedema of the extremities. AJR Am J Roentgenol. 2002;178: 405-12. 21.

Dra. Rafaela Corte Denardi
CRM 122.654
Médica Nuclear

<< Voltar