Cisternocintilografia

Este estudo tem como finalidade básica o estudo da avaliação da dinâmica do fluxo liquórico. O LCR é produzido em sua maior parte no plexo coróide dos ventrículos laterais. O fluxo liquórico inicia-se nos ventrículos laterais, passa pelo forame interventricular de Monro para o terceiro ventrículo, segue pelo aqueduto de cerebral de Sylvius, chega ao quarto ventrículo e sai do sistema ventricular através do forame de Magendie (medial) e os forames laterais de Luschka, dirigindo-se ao espaço subaracnóideo envolvendo o cérebro e a medula espinhal. O LCR é absorvido pelas granulações de Pacchioni no seio sagital superior.

>>Principais Indicações Clínicas

-> Hidrocefalias;
-> Estudo de perviedade de Derivação Cirúrgica (ventrículo peritoneal, ventrículo atrial e lomboperitoneal);
-> Pesquisa de fístula liquórica.

>> Contra Indicações

Contraindicação absoluta para este exame não existe, entretanto, não recomendamos para mulheres com gravidez suspeita ou confirmada e pacientes que apresentem discrasias sanguíneas pelo risco de hemorragia subaracnóidea ou que estejam fazendo uso de medicamentos anticoagulantes e/ou antiagregantes plaquetários.

>> Principais Efeitos Colaterais

-> Sangramento;
-> Cefaléia;
-> Reações ao radiofármaco são extremamente raras e quando ocorrem são de leve intensidade;
-> Dor no local da punção;

>> Como Solicitar

Cisternocintilografia – Código TUSS: 40707040 – Código SUS: 02.08.06.002-2
Cisternocintilografia para pesquisa de fístula liquórica – Código TUSS: 40707059 – Código SUS: 02.08.06.002-2
*incluir o CID, hipótese diagnóstica e/ou indicação do exame.

>> Radiofármaco Utilizado

DTPA-99mTc
DTPA-111mln

>> Preparo

-> Não existe preparo específico.
-> Hidratação abundante é recomendada.

>> Descrição do Procedimento

-> O paciente será recebido pelo setor Recepção, onde deverá providenciar os documentos previamente relacionados para criação ou atualização da ficha cadastral, bem como ler e assinar o termo de consentimento livre e esclarecido para a realização do exame.
-> O paciente receberá um crachá de identificação e será encaminhado ao setor técnico para início do procedimento com uma entrevista para coleta de dados clínicos, verificação de preparo e orientações.
-> Em seguida, será realizada uma punção lombar (semelhante ao procedimento de anestesia) e o radiofármaco será injetado por essa via.
-> O paciente deverá manter-se deitado por 30 a 40 minutos.
-> A aquisição das imagens é variável, dependendo da patologia a ser estudada, porém, basicamente as imagens são realizadas em gama câmara computadorizada 1, 3, 6 e 24 horas após à administração do radiofármaco no espaço subaracnóideo, podendo sofrer variações de acordo com a interpretação clinica no decorrer do estudo. No caso de pesquisa de fístula liquórica, pode-se realizar concomitantemente avaliação quantitativa, colocando-se tampões de algodão nas narinas e/ou no conduto auditivo e coleta de uma amostra de sangue, com objetivo de avaliarmos a relação radioativa dos tampões/plasma.

Fig 1: Cisternocintilografia: observe ascensão normal do traçador pelo canal, cisternas basais, fissuras Sylvianas e interhemisférica.

Fig 2: Note retenção do traçador nos ventrículos laterais que persiste nas imagens de 24 horas. Indicando hidrocefalia de pressão normal.

>> Considerações Finais

A cisternocintilografia é mais utilizada quando a tomografia computadorizada ou ressonância nuclear magnética necessitam de complementação do estudo fisiológico do fluxo liquórico. O estudo cintilográfico é capaz de predizer na maioria das vezes aquele paciente que poderá se beneficiar de uma cirurgia de derivação nos casos de hidrocefalia de pressão normal, da perviedade dessa derivação e identificação de um trajeto fistuloso liquórico.

>> Referências Bibliográficas

1. Medicina Nuclear/ Harvey A. Ziessman…[et al.]- 4ª edição: Elservier, 2015
2. Medicina Nuclear:principios e aplicações/editores Fausto HarukiHironaka…[et al.]-Editora Atheneu, 2012.

Dr. Crézio P. Morais Filho
CRM 65.730
Médico Nuclear

<< Voltar