Terapia com 233-Radio – Xofigo

No câncer de próstata é sabido que cerca de 90% dos pacientes com resistência ao bloqueio hormonal têm metástases ósseas, muitas vezes sintomáticas e que muitas mortes se devem puramente a complicações da doença óssea. As drogas anteriormente disponíveis para controle de metástases ósseas não apresentavam aumento significativo de sobrevida. O dicloreto de 223Rádio (ou só 223Rádio) atua seletivamente nas metástases ósseas, proporcionando alívio dos sintomas e aumento de sobrevida (resultados do estudo de fase III ALSYMPCA: sobrevida média de 14 meses versus 11,2 meses com tratamento com placebo (entende-se placebo como manutenção do bloqueio hormonal e melhor padrão de cuidados escolhido pelo oncologista de cada paciente, tais como radioterapia local, antiandrogênicos, estrógenos, cetoconazol, corticosteroides e estramusina).

>> Principais Indicações Clínicas

Atualmente a terapia com 223Rádio (Xofigo) é indicada para tratamento de câncer de próstata metastático resistente aos métodos de bloqueio hormonal (metastatic castration resistant prostate cancer (CRPC)), com metástases ósseas e sem metástases viscerais (considerou-se metástases ganglionares, linfonodomegalias maiores que 3 cm no seu eixo curto).
Ele pode ser usado como alternativa ao docetaxel em pacientes que não possam ou não queiram usá-lo e pode ser usado isoladamente após o término do docetaxel.

>> Contra Indicações

No momento, é contraindicada a associação concomitante com outros quimioterápicos. Estudos com associações do 223Rádio a outras drogas estão em andamento. Foi testada quimioterapia após Xofigo e após placebo, sem diferenças significativas nos valores hematimétricos.

Contra indicações relativas:
> Devido à excreção fecal de Xofigo, a radiação pode conduzir ao agravamento da doença inflamatória do intestino aguda.
> Fraturas ou compressão medular não tratadas.

>> Efeitos Colaterais

Mais comuns (em pelo menos 10% dos pacientes):
– Náusea
– Diarreia
– Vômitos
– Anemia
– Linfocitopenia
– Leucopenia
– Trombocitopenia

Menos comuns (em 1-2% dos pacientes):
– Pancitopenia / falência da medula óssea
– Eritema, dor ou tumefação no local de injeção

*Nota: segundo o estudo ALSYMPCA, os pacientes tratados com placebo tiveram, mas efeitos adversos que os tratados com 223Rádio, à exceção de trombocitopenia.

>> Como Solicitar

O radiofármaco já foi aprovado pela ANVISA, mas ainda está em fase de precificação na ANS, não estando disponível para convênios no momento.
Favor incluir o CID, hipótese diagnóstica e/ou indicação da terapia no pedido.

>> Radiofármaco Utilizado

223Rádio – emissor alfa que mimetiza o cálcio e se integra à matriz óssea, principalmente em locais de alto turnover, como metástases ósseas. A radiação depositada viaja por menos de 100 microns, limitando dano a outros tecidos. Registrado pela Bayer como Xofigo (ampolas de 1000 kBq/ml).

>> Preparo

Nenhum. O paciente deve ter realizado cintilografia óssea prévia e deve trazer hemograma completo antes de cada dose.

>> Descrição do Procedimento

  • O paciente será recebido pelo setor de recepção, onde deverá providenciar os documentos previamente relacionados para criação ou atualização da ficha cadastral, bem como ler e assinar o termo de consentimento livre e esclarecido para a realização do exame.
  • O paciente receberá um crachá de identificação e será encaminhado ao setor médico para entrevista, visando orientações relativas ao tratamento, verificação de indicações e contraindicações e solicitação de exames necessários. Assim, será feito o agendamento da dose no setor de recepção.
  • É então realizada ambulatorialmente injeção intravenosa lenta (1 minuto) de 50 kBq/kg em seis ciclos, com intervalos de quatro semanas. Um hemograma completo é necessário antes de cada dose. Não há restrições de contato após a dose. É recomendado uso de contracepção de barreira por seis meses após a dose e evitar gravidez em eventual parceira sexual por seis meses.
  • O paciente será orientado a tomar cuidados especiais com sua excreção por uma semana após cada dose.

>> Considerações Finais

Em comparação com o placebo, observou-se uma diferença significativa a favor de Xofigo em relação aos cinco biomarcadores séricos da remodelação óssea estudados (marcadores da formação óssea: fosfatase alcalina [ALP] óssea, ALP total e propeptídeo N-terminal do procolágeno I [PINP], marcadores da reabsorção óssea: telopeptídeo C-terminal da ligação cruzada do colágeno tipo I [SCTX-I] e telopeptídeo-C da ligação cruzada do colágeno tipo I [ICTP]). Houve alivio da dor, melhora da qualidade de vida, além do aumento de sobrevida (aumento de 10 pontos na escala FACT-P).

>> Referências Bibliográficas

1. C. Parker, S. Nilsson, et al. Alpha Emitter Radium-223 and Survival in Metastatic Prostate Cancer. NEJM, July 18, 2013 vol. 369 no. 3
2. Flaig TW, Potluri RC, et al. Treatment evolution for metastatic castration-resistant prostate cancer with recent introduction of novel agents: retrospective analysis of real-world data. Cancer Med. 2015 Dec 29.
3. Kluetz PG, Pierce W, et al. Radium Ra 223 dichloride injection: U.S. Food and Drug Administration drug approval summary. Clin Cancer Res. 2014 Jan 1; 20(1): 9-14.

Dr. Paulo Henrique Silva Monteiro
CRM: 148543
Médico Nuclear

<< Voltar